Jô aciona Atlético-MG na Justiça e cobra, ao menos, R$ 872 mil do clube

Processo chegou a ser arquivado, mas atacante recorreu ao Tribunal e conseguiu manter ação contra o Alvinegro.

O atacante Jô acionou o Atlético-MG na Justiça do Trabalho. O jogador, que defendeu o clube entre 2012 e 2015, cobra indenização por convocações para a seleção brasileira, direito de arena (valor recebido pelos clubes para a reprodução das imagens de eventos esportivos) e uma multa por atraso no pagamento de verbas rescisórias. O processo está na 20ª Vara do Trabalho de Belo Horizonte. O juiz Claudio Roberto de Castro mandou arquivar a ação porque a petição inicial não preenchia os requisitos legais. O advogado de Jô, Leonardo Laporta Costa, recorreu. A Terceira Turma do TRT (Tribunal Regional do Trabalho) considerou a petição válida e determinou o prosseguimento do processo. A intimação foi publicada nesta segunda-feira. Uma audiência será marcada, e o Atlético-MG notificado para apresentar a defesa.

Jô, atualmente no Corinthians, quer ser indenizado pelos períodos de convocação para a seleção brasileira, mais especificamente durante as disputas da Copa das Confederações de 2013 e Copa do Mundo de 2014.

Segundo a petição inicial, o Atlético-MG recebeu da CBF (Confederação Brasileira de Futebol) US$ 300.533,00, como indenização pela cessão de seus atletas para a Seleção na Copa do Mundo. Dessa quantia, R$ 337.456,00, segundo a defesa do jogador, referem-se apenas à participação de Jô no Mundial. Ele alega não ter recebido o valor.

Em relação à Copa das Confederações, o atleta requer a apresentação do recibo entregue ao Atlético-MG para que seja feito o cálculo da indenização. Se não for entregue o documento, Jô pede que seja considerada a mesma quantia da Copa do Mundo, ou seja, R$ 337.456,00.

Sobre o direito de arena, Jô diz não ter recebido a totalidade do percentual que lhe cabe. “O reclamante requer o correto pagamento de 5% do direito de arena devido, descontando-se os valores repassados”, diz a petição.

 

COMENTÁRIOS